Conferência Assexual 2020: Relacionamentos Românticos

UK Asexuality Conference 2020Romantic Relationships (Relacionamentos Românticos)

Para acessar o texto em pdf, clique neste link.


Katie (ela/dela) é a moderadora do painel de discussão, ela dá as boas-vindas e introduz os participantes: Kayla (ela/dela) do podcast Sounds Fake But Okay, Daniel (ele/dele) do canal no youtube Slice of Ace e Christa (ela/elu) quer organiza um espaço chamado Aspec Centerspace em Michigan, USA. Katie indica a caixa de chat e avisa que está sendo moderada, e como reportar algo que passe pelos moderadores e explica o sistema de perguntas através do SliDo. Ela dá a voz pros participantes se apresentarem propriamente.

Kayla (ela/dela): olá, eu sou a Kayla. Como a Katie mencionou, eu sou co-apresentadora do podcast sobre assexualidade, Sounds Fake But Okay. Eu sou demissexual e heterorromântica e, pro assunto desse painel, eu já estive em muitos relacionamentos com homens cishet, e estou em uma no momento, então acho que essas são as minhas justificativas para estar aqui.

Christa (ela/elu): eu organizo o Aspec Centerspace, basicamente um espaço para estudantes ace falarem sobre a vida e sobre assexualidade, ou não, o que estivermos a fim. Eu sou assexual e grey-romântica, em algum lugar do espectro aro, e também em algum lugar entre bi e pan. Então em questão de meu currículo de namoro para estar falando aqui, eu estava em um relacionamento sério com uma mulher por um tempo, no momento estou solteira, não realmente procurando mudar isso, mas nunca se sabe… é isso.

Daniel (ele/dele): eu sou o Daniel, como diz aí embaixo do meu rosto. Eu me identifico como assexual homorromântico e sou dono do canal Slice of Ace no youtube, que é onde eu posto vídeos sobre assexualidade e os seus espectros. Quanto a minha perspectiva como ace homorromântico… no momento estou num relacionamento à distância com um homem gay que está dormindo agora então…

Kayla: meu parceiro também está dormindo na Costa Oeste (EUA)

Daniel: como eles ousam?

Katie: então o que eu entendi é que a gente devia ter deixado isso para mais tarde pros seus parceiros poderem assistir…

Ele riem da situação por um momento e Katie volta a explicar que as pessoas devem mandar suas perguntas e segue para elas.

Namorar como uma pessoa ace é bem complicado. Que conselho vocês dão para aces que estão procurando por relacionamentos? (por ex, como conhecer pessoas para isso)”

Daniel: acho que posso ir eu, hm… eu achei útil usar sites de namoro, como Tinder ou OkCupid, só porque você pode colocar que é assexual no seu perfil, o que eu acho mais fácil para abrir o assunto do que ter que achar uma brecha desconfortável para falar sobre isso depois de um encontro ou dois, quando sentimentos já podem ter se formado.

Kayla: como uma demissexual eu sinto que tive sorte de não ter tido tanta dificuldade, mas eu também uso aplicativos de namoro bastante, na universidade, e depois que eu me assumi, quando me entendi demissexual eu colocava isso na minha bio, só para já poder tirar isso do caminho. Senti que as pessoas eu conheci pessoalmente foi mais desajeitado, eu tive que descobrir se eles já sabiam alguma coisa, quando contar para eles… acho isso mais difícil de navegar, precisar ter essa conversa.

Christa: É difícil tentar conhecer pessoas novas, pelo menos pessoalmente. E depende de como você prefere conhecer essas pessoas, se é online ou cara a cara. Eu pessoalmente prefiro conhecer as pessoas na vida real porque eu gosto de ser amigue das pessoas antes de começar um relacionamento para saber se somos compatíveis. Também eu sou bem aberta sobre ser assexual, então se somos amigos é bem provável que você já saiba isso. Eu recentemente entrei num aplicativo de namoro chamado Hinge, eu meio que odeio mas tudo bem, eu coloquei que sou assexual no meu perfil também porque… não desperdice o meu tempo se você tem algum problema com a assexualidade, eu não vou querer saber de todo jeito e… tem sido um bom jeito de conversar com pessoas, mas não fui em muitos encontros a partir dele ainda.

Como uma pessoa ace, você acha que é possível ter um relacionamento romântico com um parceiro alossexual? E mais especificamente como você estabelece limites sem magoar a pessoa?”

Daniel: bom, eu esperaria que seja possível, caso contrário eu tenho um amigo imaginário. Eu estou com o meu namorado por eu acho que um ano, eu não sou sentimental o suficiente para lembrar datas, para ser justo a maior parte desse tempo nós estivemos à distância, mas o que é importante entender é que mesmo em um relacionamento entre duas pessoas alossexuais haverá diferenças sobre o que elas querem e sentem sexualmente e é preciso discutir isso, bem, eu imagino que quando uma das pessoas é ace é mais complicado, mas de qualquer forma é importante… eu acho que é importante discutir os seus limites até antes de iniciar o relacionamento, estabelecer qual o ponto que você definitivamente não quer passar logo, porque você pode ter sentimentos por alguém mas você precisa tomar conta de você mesmo primeiro. Eu acho que é definitivamente possível ter um relacionamento com um alo, há uns bons por aí. [Ele se desculpa às pessoas responsáveis por legendar o vídeo por estar falando muito rápido e Katie dá uma breve explicação para as pessoas assistindo como acessar a legenda]

Kayla: reafirmando o que o Daniel disse pros meus amigos alo que estão em relacionamentos alo, porque é certamente algo que precisa acontecer nesses relacionamentos de qualquer forma, definir limites, estabelecer quanta líbido vocês tem, quanto sexo vocês querem fazer, então espero que seu parceiro alo esteja aberto a essa conversa. Eu pessoalmente tive muita sorte, meu relacionamento mais recente é a única que eu… não, a segunda relação que eu comecei quando eu já tinha me assumido como demissexual e precisar ter essa conversa antes de “oi, eu sou demissexual, isso é o que significa”, e por sorte meus parceiros foram bem cuidadosos sobre me perguntarem se eu estou confortável. Acho que ambas as partes verificarem se está tudo bem é importante.

Christa: repetindo o que já foi dito, comunicação, comunicação, comunicação. É importante sempre comunicar os seus limites porque eles podem mudar ao longo do relacionamento, ou até depois de um dia; é muito importante poder ter essa comunicação ou não vai funcionar. Também é importante lembrar que pessoas são muito diferentes além de ser ace ou alo, e qualquer um desses fatores pode afetar a relação. Mas, sim, é muito possível ter um relacionamento com uma pessoa alo.

Qual é o seu Top 5 de coisas para dizer a um ace jovem que está buscando romance sendo ace?”

Daniel: acho que vai ter que ser 5 entre nós 3 [risos]

Kayla: eu acho… uma das minhas primeiras é não se sinta culpade, ou pelo menos tente não se sentir culpade. É algo que eu senti bastante no começo… essa pessoa quer transar logo no início da relação e eu não quero isso, isso quer dizer que ela não vai querer mais sair comigo ou que isso não vai funcionar? Então é muito falar para você mesmo “não, tá tudo bem, eu preciso confiar no que eu quero”.

Christa: num ponto relacionado, prestar atenção nos sentimentos, uma coisa que eu não fiz muito no começo. Se você estiver desconfortável em uma situação, saia da situação, não faça as coisas só porque você acha que deve, e não tolere coisas só porque você pensa que vai te fazer um parceiro melhor. Ouça os sentimentos porque eles são importantes.

Katie: Ótimo! Acho que faltam 3 coisas ainda [risos]

Daniel: o número está me estressando [risos]

Katie: nós podemos fazer só 3 se ajudar

Kayla: a minha última é meio relacionado com o que eu disse antes, mas uma coisa que eu tive dificuldade foi lidar com as expectativas da outra pessoa, que é meio o que eu já disse, mas: não se preocupar tanto com o que a outra pessoa acha que deveria acontecer em um relacionamento, como se existisse um roteiro tipo “depois do terceiro encontro nós temos que transar”, então você pode achar que o seu parceiro espera por isso mas 1: ele provavelmente não tem as expectativas que você imagina porque as pessoas são complexas e 2: não importa o que ele querem se não é algo que você quer.

Christa: acho que também: não se sinta inferior por ser ace tipo “ah eu vou ser um parceiro ruim porque eu não quero sexo”. Não! Você é uma pessoa válida que é totalmente capaz de estar em um relacionamento e não deixe ninguém te dizer o contrário!

Daniel: se você imagina um relacionamento, você pode ver duas pessoas em um relacionamento que não estão transando no momento, porque essa não é a única parte de um relacionamento, mesmo para pessoas alo, não é como eles só transassem com os parceiros… eles vão viajar, ou assistem filmes, ou fazem outras coisas de relacionamento que estão fugindo da minha cabeça agora.

Kayla: é, eu definitivamente tenho amigos alo que não transam frequentemente, é tipo… uma vez por mês, talvez

Daniel: eu ficaria bem chocado se eu encontrasse um casal de amigos transando [risos]

Katie: acho que eu preferia não ter essa imagem na minha cabeça [risos] conseguimos cinco talvez?

Christa: acho que sim

Daniel: pelo menos 4 e meio.

Katie: ok, se não conseguimos 5 nos avise nas perguntas e nós tentaremos de novo

[risos]

“Como vocês diferenciam entre um crush e um squish?”

Kayla: nossa vocês tem perguntas difíceis [risos] acho que depende só das… atividades que eu quero fazer com a pessoa. Se é um crush, eu quero beijar a pessoa, coisas de romance. Mas algo de amizade são atividades mais… platônicas. Eu sempre percebo que quando eu quero uma amizade com a pessoa eu me sinto bem menos nervosa, porque existe essa pressão da sociedade… que romance é mais importante que amizades, o que não é verdade mas está gravado nas nossas cabeças, então eu definitivamente fico mais nervosa com um crush do que um squish.

Daniel: para mim é bem parecido… para uma pessoa qualquer que interage comigo, eu não quero que me toquem de forma alguma, eu não gosto de apertar as mãos, eu não gosto de abraço, não gosto de nada disso. Mas se eu estou romanticamente atraído por alguém eu viro um coala, seguro a pessoa e não solto mais. Como a Kayla disse, depende do que eu quero fazer com a pessoa.

Christa: para mim é mais complicado, eu sou bem o oposto do Daniel: eu sou muito de afeto físico com os meus amigos, eu costumo ser o coala que sobe em cima deles, é o meu jeito de demonstrar afeto. Parte do motivo de eu me identificar como grey-romântica é porque muitas vezes eu não sei identificar qual atração eu estou sentindo, se eu só gosto de passar tempo com uma pessoa. Pra mim, o que eu acho que a distinção é, é ter a intenção de formar um relacionamento romântico com a pessoa, que eu quero formar uma vida ao redor dessa pessoa ou com essa pessoa na minha vida… porque meus amigos são muito importantes para mim, mas nós não vamos sentar e falar “vamos planejar a nossa vida juntos” ou algo assim. Então, especificamente ter essa intenção é o que é um crush para mim.

Daniel chama atenção para uma pessoa do chat que disse que precisou pesquisar o que é um squish e percebeu que esqueceram de passar a definição: eu nem percebi, tô tão acostumado com o vocabulário ace [risos]. Basicamente, é um crush mas platonicamente.

Christa: enquanto que crush tem a ver com atração romântica.

Kayla: eu concordo com o que Christa disse que é essa diferença entre se essa é uma pessoa com quem eu quero sentar para falar sobre imposto… é como a diferença entre uma QPR e uma amizade, essa é uma pessoa por quem você se mudaria pro outro lado do país, vocês vão ter uma conta bancária conjunta… tipo, minha melhor amiga… não, eu e a Sara temos uma conta conjunta (Sara é a outra co-apresentadora do podcast SFBO)… mas meu namorado, é, nós precisamos conversar sobre o futuro.

Daniel: a gente devia mudar o nome para atração platônica e atração de imposto

Katie: hmm, falar sobre imposto [risos] voltando à perguntas….

Quando você deveria contar a alguém que você é demi/ace ou é algo que deve ser dito imediatamente em sites de namoro ou quando você conhece alguém num encontro?”

Christa: bom, eu costumo ser bem direte sobre isso, como eu disse “não desperdice o meu tempo”, se você acha que não conseguiria namorar uma pessoa ace então nós não vamos dar certo, então eu acho melhor dizer imediatamente em sites de namoro, coloque no seu perfil ou algo assim; se é alguém que você está conhecendo, provavelmente é melhor não sair dizendo só “eu quero sair com você, aliás, eu sou assexual”, mas comente na conversa quando possível no começo do relacionamento, porque é melhor já deixar isso claro, saber a opinião da pessoa logo. Eu prefiro ser direta sobre o assunto.

Daniel: obviamente depende de você quando você vai se assumir ace para alguém, porque você não deve se sentir pressionado a se assumir, mas eu acho que se você realmente está entrando num relacionamento com uma pessoa, é importante discutir seus limites para se sentir seguro e estabelecer essa confiança, então eu acho que é uma conversa importante para se ter logo. Eu particularmente prefiro me assumir logo, só para que a pessoa tenha mais tempo para pessoa pensar sobre e decidir se querem namorar uma pessoa ace antes que ela forme sentimentos por mim.

Kayla: eu definitivamente acho que para mim é melhor ter essa informação em algum perfil de aplicativo de namoro. A última pessoa com quem eu estava ficando antes de eu me descobrir demi… isso não foi discutido e aquela relação me deixou muito ansiosa por causa de expectativas e tudo aquilo definir o relacionamento. É melhor para mim, acho que é melhor para outra pessoa também, mas eu fico mais confortável e tenho menos ataques de pânico quando eu sei que todo mundo sabe e que todas as expectativas estão bem claras.

Como foi a sua jornada de descoberta da orientação romântica?”

Christa: eu descobri a coisa da assexualidade primeiro porque eu meio que assumia que eu era hétero tipo “bom, eu não quis transar com mulheres” e nunca prestei atenção que eu me sentia do mesmo jeito sobre homens, mas descobrir que eu sou assexual e que o modelo de atração dividida é uma coisa que existe me permitiu explorar todos esses sentimentos. Acho que eu me identifiquei como birromântica por um tempo? Eu fiquei nessa por um tempo, eu estava bem feliz me identificando como bi, mas eu também tinha essa sensação que talvez eu fosse um pouquinho arromântique…? Porque eu não estava interessada em relacionamentos românticos, todo mundo a minha volta estava namorando e eu só… estava feliz de não estar participando disso.

Eventualmente eu descobri o espectro arromântico, e eu não tinha muita certeza de onde eu me encaixava nele então eu estava bem hesitante de usar algum desses rótulos, mas eu comecei a usar grey-romântico agora porque como eu disse antes eu nem sempre sei que tipo de atração eu estou sentindo, eu só gosto de passar tempo com outras pessoas…. E também há muitos aspectos da arromanticidade com que eu me identifico, muitas coisas de relacionamentos românticos me deixa confusa, mas eu também sei que em algum momento eu quero um relacionamento… em que pelo menos nós possamos fazer coisas românticas juntes, então eu estou nesse meio. É complicado, mas esse é o rótulo que eu me sinto confortável usando agora.

Kayla: acho que eu vou passar essa pergunta porque eu sou heterorromântica, que é o que nós crescemos assumindo que somos então foi bem simples porque… sociedade.

Daniel: acho que eu vou ser breve porque já falei bastante sobre isso, no podcast Sounds Fake But Okay, então vá ouvir ele. Aí o seu marketing, Kayla (Kayla: ah, obrigada [risos]). Por um tempo no ensino médio eu achei que eu era arromântico porque eu não queria sexo e eu não conhecia o modelo de atração dividida ou sobre assexualidade e foi só quando eu descobri o modelo de atração dividida que eu entendi que sentia atração por homens, mas apenas romanticamente, e isso foi só na universidade,quando eu tinha 19 anos.

Na sua opinião, qual os melhores (e piores) sites de namoro para aces procurando parceiros/relacionamentos?”

Kayla: pessoalmente, eu só uso Tinder, que eu sei que é estranho já que normalmente é um aplicativo mais para sexo casual, mas eu achei de boa, eu tive dois relacionamentos longos a partir do Tinder, um durou um ano e meio então (ela joga o cabelo pro lado), muito boa com aplicativos de namoro. Mas não sei dizer se o Tinder é o melhor, acho os outros apps, como OkCupid ou Hinge, tem mais funcionalidades para você personalizar o seu perfil mas eu não usei eles, então…

Daniel: eu tive uma boa experiência com o Tinder também, foi onde eu conheci o meu namorado atual, mas vale lembrar que eu sou gay, e nós temos o Grindr para ficadas, então… imagino que o Tinder seja um pouco diferente para caras gays, eu não tenho certeza.

Kayla: até onde eu sei, tem bem menos imagens de abdomens no Tinder do que no Grindr

Daniel: eu vi uma foto das pernas de uma pessoa uma vez, só as coxas, como foto do tinder, foi bem estranho. Vale notar que recentemente lançaram um site de namoro para aces, que parece bem profissional, uns dois meses atrás eu acho, já perdi a noção do tempo… acho que só chamava Asexuals… (Kayla: ponto net, eu acho)… ponto net, é. O site é bonito, eu não usei por mim mesmo, mas vale dar uma olhada.

Christa: o único que uso é o Hinge, e o motivo de eu usar esse é só porque parece menos assustador que o Tinder [risos]. Não tenho certeza se é verdade ou não, mas o marketing dele indica que é mais para relacionamentos de longo termo… ele é ok, eu acho, não sei se sites de namoro sentam muito bem comigo. Eu lembro de olhar alguns específicos para aces, mas eles não são muito usados, porque não tem muitos assexuais em uma determinada posição geográfica, então provavelmente vai ter que usar um não específico, eu não sei sobre asexuals.net porque ele é novo… é, você vai precisar testar alguns, não sei se existe realmente um melhor.

Daniel: acho que depende também se você quer especificamente só aces, ou alos também, porque se você para você tudo bem namorar alos então Tinder já serve, mas se você só quer encontrar outras pessoas aces é mais prático ir no asexuals.net ou algum assim.

Christa: é, mas é mais provável que você encontre relacionamentos à distância, é o que eu ouvi sobre sites de namoro específicos para aces, então você precisaria estar aberto a isso também.

Há algum tipo de sinal de perigo [red flag] a se prestar atenção quando você é uma pessoa ace buscando/tentando um relacionamento romântico com um parceiro alo?”

Kayla: provavelmente… [a pessoa] não respeitar limites é provavelmente um sinal de perigo em qualquer tipo de relacionamento, mas, também, se você se assumir como ace e ela ter uma reação ruim, eu provavelmente iria embora. Ou se ela não está disposta a conversar com você sobre quão frequentemente certas coisas acontecem, ou se vão sequer acontecer, ou coisa assim, é.

Daniel: eu estava hesitante de responder porque acho difícil pensar em um que seja específico para pessoas ace, mas em um relacionamento antigo meu ex não gostava muito de discutir limites, sobre sexo e essas coisas, apesar dele ainda querer isso, o que não é algo bom e eu aconselho a não ficar numa situação dessas e a encontrar alguém que esteja disposto a manter essa conversa através do relacionamento.

Christa: é, acho que sinais comuns ainda se aplicam quando você é ace, não consigo pensar em muito específico, mas, é, limites são super importantes, e se você se assumir ace e a pessoa não parecer uma boa aliada, melhor só vazar porque não vai dá bom.

Kayla: se a pessoa estiver te jogando culpa para te forçar a alguma coisa também, para qualquer tipo de relacionamento isso não é bom, mas especialmente quanto a coisas sexuais, se ela fica falando “mas eu queroo”, então você fala “mas eu não quero, meu senhor… ou senhora… ou pessoa”

Daniel mais uma vez pega alguém perguntando sobre definições, dessa vez sobre o que é uma pessoa alo e ele explica que é basicamente alguém que não está no espectro assexual. Katie promete lembrar de definir as coisas no futuro.

Vocês acham que pessoas arromânticas podem ter relacionamentos românticos, e caso sim, como seria isso?”

Christa: acho que eu posso responder essa [risos]. Como uma pessoa arromântica, definitivamente é possível ter relacionamentos românticos; quanto a como seria isso, como sempre, é preciso muita comunicação, vocês precisam comunicar o que qualifica como romântico para vocês, e quais dessas coisas você aceita fazer. Alguns aros gostam de segurar as mãos, gostam de ficar de conchinha [abraços], beijos, etc, e outros não. Então vocês precisam deixar bem claro porque eu acho que essas coisas são esperadas em relacionamento romântico, onde você faria coisas estereotipicamente românticas, e se isso é algo que te interessa você precisa comunicar isso logo. É muito sobre descobrir o que constitui romance para você e o que disso você gosta, o que você não gosta e certificar que o seu parceiro entenda isso também, mas definitivamente é possível.

Daniel: bom, eu não sou arromântico, mas eu sou um assexual num relacionamento sexual, então… quando meu namorado e eu estamos juntos nós somos sexualmente ativos, então se você consegue imaginar o paralelo entre as duas coisas eu diria que absolutamente é possível da mesma forma.

Quais seus pensamentos ou experiências com poliamor como uma pessoa ace?”

Kayla: parece bom, sei lá [risos]

Daniel: não é algo que eu pessoalmente me interessaria, só porque eu sou muito grudento e egoísta para ter só a minha pessoa [risos]

Kayla: eu sou o mesmo, não acho que eu conseguiria, mas se é algo que te interessa… só vai.

Christa: é, eu não acho que poliamor funcionaria para mim, porque já é cansativo ter que me comunicar com uma pessoa, e aí você traz mais pessoas e é demais. Mas eu sei que tem aces que gostam da não-monogamia porque eles, não sei, conseguem coisas diferentes de parceiros diferentes… faz o que é bom para você [risos], só se lembre de se comunicar.

Katie comenta que no ano passado no painel eles receberam uma pergunta semelhante e dois dos três convidados eram poliamorosos e puderam compartilhar suas experiências e a importância da comunicação com cada parceiro.

Como vocês distinguem entre sentimentos românticos e platônicos?”

Daniel: bem similar a pergunta sobre crushes e squishes. Quando eu estou romanticamente atraído por alguém eu quero contato físico, mas não dos meus amigos.

Kayla: não sei se essa resposta vai ser muito útil, mas para mim é um sentimento bem interno, tipo, quase fisicamente… como eu disse antes eu fico bem mais nervosa perto de pessoas quando tenho sentimentos românticos por ela, porque parece que as apostas estão mais altas, por algum motivo… então, pessoalmente, eu sinto emoções com muita força, no meu peito, quase fisicamente – eu tenho ansiedade,ela mora ali -, quase como as borboletas que as pessoas falam, eu acho, mas com ansiedade.

Christa: basicamente a mesma resposta de antes, eu não sei a diferença num geral, mas quando eu estou interessade romanticamente em alguém, sinto mais necessidade daquelas conversas de planejamento de vida, sobre o que esperamos do relacionamento. É basicamente o que distingue para mim.

Como vocês lidam com pessoas que desqualificam seus relacionamento porque você não faz sexo? Como você faz eles entenderem que relacionamentos não-sexuais são tão válidos e satisfatórias quanto?”

Kayla: é um pouco difícil para eu responder, porque eu tenho sexo nos meus relacionamentos então não sei se eu sou a mais qualificada para responder isso, mas eu acho que, mais uma vez, é falar as pessoas que outras pessoas alo em relacionamentos alo também não necessariamente fazem sexo tão frequentemente, e para muitas pessoas, mesmo para mim, a parte do sexo nos meus relacionamento não é a mais importante. Se o meu parceiro falasse algo como “eu não sei se me interesso nisso” é tipo, ok, de boa, eu não ligo também. Então é lembrar as pessoas que mesmo fora de relacionamentos assexuais há bastante diversidade.

Daniel: acho que se o sexo fosse a parte mais importante de relacionamentos então as pessoas não teriam relacionamentos, elas só buscariam prostitutas. Mas, é, também não posso falar pessoalmente porque meu namorado e eu somos sexualmente ativos então, é… não é uma grande parte do relacionamento, se nós de repente só parássemos eu não me importaria nem um pouco… mas se nós parássemos de cozinhar juntos, aí eu ficaria desolado (Kayla: own 😦 ). Eu gosto de cozinhar [risos]

Christa: bom, no meu relacionamento anterior a gente não fazia sexo, mas sinceramente a minha primeira resposta para essa situação é “por que essa pessoa sabe tanto sobre a minha vida sexual e por que ela se importa com isso?”, mas se essa pessoa realmente sabe sobre todos esses detalhes, de você não fazer sexo nos seus relacionamentos, então é realmente fazê-los entender que tem mais em relacionamentos do que apenas sexo. Pelo menos eu espero que se você está num relacionamento não seja só pelo sexo, é porque você gosta de conversar com a pessoa, e de ficar com eles, e ir no cinema e encontros e coisas assim. Então, não é assunto dessa pessoa, mas, se ela insiste, tem mais em relacionamentos do que só isso.

Kayla: sinceramente eu perguntaria a essa pessoa se ela está bem, eu acho, se ela está tão irritada com outra pessoa não fazer sexo no relacionamento eu ficaria tipo “como tá o seu relacionamento? Você tá bem ou…?”

Daniel: na verdade era um pedido de socorro [risos]

Ser ace realmente é considerado algo “negativo” no mundo dos namoros (especialmente com homens)?”

Daniel: bom, eu sou um homem então…

Katie: homens que não são você, Daniel, acho que a pessoa estava se referindo a homens não-aces

Daniel: ah [risos] (Kayla: mas você já namorou homens não-aces), é, eu já namorei homens não-aces então… (Kayla: pera, eu também [risos]) Eu acho que a pergunta está se referindo à expectativa da sociedade que homens sejam mais sexuais. E se alguém acha que por causa disso você ser ace é algo negativo então ele é um idiota, porque não é um ponto negativo. Todo mundo espera coisas diferente de relacionamentos e você ser ace não muda nada. Por favor não deixe ninguém te fazer sentir como se fosse o caso, porque não é verdade.

Christa: Namorar quando você é assexual, você vai ter que se acostumar que algumas pessoas simplesmente não vão querer namorar com você mas isso não te faz inferior a ninguém. E se você conhecer alguém que trata sua assexuallidade como algo negativo, não se dê o trabalho, honestamente, porque ela não vai ser uma pessoa boa para você. Eu namoro mais mulheres então não posso falar muito sobre homens, eu não quero ter que lidar com homens na maior parte do tempo, mas isso vale para qualquer pessoa.

Kayla: a maior parte do tempo eu sinto que ser demissexual é um grande ponto ao meu favor – há alguns dias em que eu não me sinto assim, claro -, você consegue conhecer bem a pessoa antes de vocês fazerem sexo, você consegue saber que a pessoa não está com você só pelo sexo, ela pode ficar segura que eu não vou traí-la porque a minha atração está focada nela apenas. É, eu acho que a minha sexualidade é um ponto positivo [risos]

“Você consideraria possível dividir a atração romântica em dois aspectos, sendo um puramente romântico (nenhum contato físico) e atração sensorial (beijos…)?”

Kayla: se você pensar no modelo de atração dividida, você tem sexual… – são umas cinco -, sexual, romântica, platônica, sensorial, e estética, então se você quiser dividir mesmo você pode ter, por ex, uma atração romântica que também é sensorial, ou uma atração romântica que é só estética, se isso faz sentido?

Daniel: você pode dividir a sua atração em quantas partes for necessário para você. Pessoalmente eu só uso atração romântica e sexual para me descrever, porque a minha atração romântica e a sensorial estão interligadas ao ponto que eu não sou capaz de distinguir entre elas – se eu gosto de alguém [romanticamente], isso já quer dizer que eu quero abraçar, beijar, etc.

Christa: é, definitivamente eu diria para separar as suas atrações de uma forma que faça sentido para você. Para algumas pessoas elas são interligadas, para outras, não. Pessoalmente, eu não entendo nada na maior parte do tempo, eu sinto atração sensorial com algumas pessoas a quem sou próxima, às vezes sinto atração romântica, essa divisão é difícil para mim distinguir. Mas se é útil para você dividi-las, então faça isso, só faça o que faz sentido para você pessoalmente.

Kayla: eu me sinto melhor pensando que mesmo para pessoas que não conhecem ou usam o modelo de atração dividida, ainda se aplica a elas. Todo mundo experiência atração romântica e sexual de formas diferentes, mesmo quando elas são muito interligadas. Eu já vi umas pessoas afóbicas reclamando que “só complica tudo dividir as coisas em tantas partes”, mas se ajuda você a se entender melhor, sabe. Quando eu entendi a minha sexualidade, também melhorou os meus relacionamentos, então, é, isso ajuda também.

“Se você não quiser usar algum site de namoro online, como você encontraria um possível parceiro ace?”

Daniel: se você estiver disposto a namorar alos também, então acho que do mesmo jeito que outras pessoas costumam conhecer possíveis parceiros. Eu evitaria lugares muito sexualidades, por ex, eu pessoalmente não iria em um bar gay para conhecer outros caras por causa dessa cultura de balada. Mas você pode tentar espaços LGBT, ou talvez especificamente espaços para aces, talvez não necessariamente com a intenção de namorar alguém de lá, mas para fazer amigos e aí eles podem te ajudar a conhecer alguém.

Christa: eu diria para você focar em fazer amizades, na real, conhecer pessoas e criar conexões com elas. Mas como parece que essa pessoa está mais interessada em parceiros ace especificamente eu diria ir em reuniões seria um bom jeito para conseguir isso, mas melhor não ir com a expectativa de necessariamente sair com alguém, mas pense como fazer conexões e conhecer pessoas novas, vai ser mais fácil assim.

Kayla: espaços LGBT num geral eu acho que tendem a ter uma grande população de pessoas ace. Eu participei de um grupo de teatro na universidade e tinha uma porcentagem enorme de outras pessoas aces, eram 5 de nós e não era um grupo grande. Então, só ir em lugares mais abertos e tolerantes acho que é onde pessoas ace vão estar.

Qual a forma mais apropriada para responder a amigos ou possíveis namoros que te largam por causa da sua assexualidade dizendo coisas tipo ‘isso é um rótulo desnecessário’ ou ‘você só é exigente’, etc.?”

Kayla: …soca eles [risos] (Katie: nós não permitimos violência ok [risos]) não faça, mas você pode pensar isso para se sentir melhor.

Christa: sério agora, nem considere essa pessoa como amiga, porque isso é uma coisa muito insensível para se dizer a alguém sobre qualquer rótulo, e você merece melhor que isso.

Daniel: com certeza melhor ir embora, porque não pessoas muito legais.

Kayla: se você quiser mesmo, você pode tentar educá-los. Não é obrigação sua fazer isso, mas se você estiver com vontade, é uma possibilidade, se não estiver, só vai embora porque não são pessoas boas para estarem com você.

Katie finaliza e agradece os convidados por serem “oradores tão amáveis e sábios, mesmo que ocasionalmente violentos [risos]e indica o resto do cronograma.


Tradução por Kira Laine

Caso queira utilizar essa tradução, avise por email: aroaceiros@gmail.com


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s